O Caminho Shinobi

caminho shinobi

O Caminho Shinobi

Escrito por Kleber Teixeira em 15 de janeiro de 2014

Conversar com Sensei Fernando Cardoso geralmente me revela algo sobre mim mesmo, o Budo, a Bujinkan ou sobre Soke, sempre tem algo que aprendo. Mas dessa vez a surpresa foi sobre o passado…

Uma das coisas que me atraíram quando conhecia a Bujinkan foi como os treinos são individuais mesmo sendo praticados com muitas pessoas. O caminho na arte é totalmente pessoal e intransferível, assim como no budo e assim como também é na vida de cada um. Sabendo disso, sempre busquei evoluir meu Taijutsu sem nem sequer olhar para o lado, sem comparar minha evolução e o tempo de treino com a de outro praticante, com o tempo que qualquer outra pessoa tenha de arte.

Nessa conversa informal após o Seminário Ryuha no Maru que alguns praticantes tiveram com Shihan Fernando Cardoso, tive a surpresa em ver pessoas com alguns meses tendo as mesmas dúvidas e incertezas que eu tinha quando iniciei. Foi como olhar para trás e ver um pedaço de mim em cada uma daquelas perguntas. Mas como o tema desse Ryuha no Maru foi a escola Shinden Fudo Ryu, deixei fluir naturalmente para ver o que acontecia, sem deixar minhas surpresas atrapalharem minhas observações.

Uma das dúvidas que notei que todos nós que estamos engatinhando na arte não compreendemos e que leva muito tempo para entendem é o que é ser um shinobi, o que foi e que agora é ser um verdadeiro ninja.

Cresci vendo filmes de artes marciais onde ninja era quase um ser mitológico, poderoso e que facilmente matava seus oponentes. Todos meus amigos e colegas orientais temiam e falavam que era algo “do mau” que ao mesmo tempo que era temido, também era respeitado. Mas é isso mesmo? Será que tudo isso que os filmes e as histórias que ouvimos são reais e retrata a verdade?!

A primeira revelação sobre o assunto é que a capacidade de controlar ou eliminar seus oponentes de forma muito rápida, silenciosa e sem deixar nenhum rastro é totalmente verdadeira. As técnicas da escola de Togakure deixam essa afirmação extremamente clara. É totalmente possível destruir com uma vida em menos de 5 segundos usando
somente as mãos!

Então ter o conhecimento de antigas escolas marciais japonesas, ter esse poder gigante de destruição torna um guerreiro um ninja? A resposta é decididamente um alto, claro e belo “não”! Mas para entender essa resposta eu levei algum tempo e tive que passar por algumas outras respostas antes. E veja que não estou dizendo “ser”, somente o estágio anterior que é entender o que é!

A natureza não pula degraus, não dá saltos, não tem atalhos e nem um caminho pago que diminui a burocracia da evolução! Foi o assunto central do seminário e a das respostas que Fernando Sensei deu para cada uma das dúvidas que os praticantes fizeram. Tirar as dúvidas que temos é essencial, mas o mais importante é continuar praticando
sem se importar com essas questões mais do que elas merecem.

Mas mesmo sem pular nenhum degrau, vou revelar agora “O Grande Segredo” de como se tornar um verdadeiro ninja! Tudo que for lido daqui para frente pode parecer antagônico e sem relações entre si, mas vai separar o joio do trigo, os verdadeiros budocas, ninjas e homens do resto que fica no caminho.

A primeira coisa para ser um verdadeiro e grande ninja é algo infinitamente mais difícil que ser um simples guerreiro poderoso que destrói tudo de forma muito rápida! Que é entender o que é ser um grande ser humano. Una isso com a prática constante na Bujinkan e o resultado fatalmente é se tornar um grande ninja.

O que vi nessa conversa entre nós alunos e Sensei Fernando não foram só dúvidas de quem começa na Bujinkan, mas as dúvidas que temos ocultas em qualquer escolha que temos na vida. Porque é disso que se tratou esse seminário! Foi de se levar o que se aprende no tatame para o dia-a-dia, de entender o que é ser ninja, de usar o budo não para destruir, mas para construir. Para construir uma vida melhor, uma relação melhor e com amigos melhores, ter melhores conversas com os pais e ser um melhor filho ou filha. Conseguir uma carreira que lhe traga não só dinheiro, mas também felicidade. Ter companhias que possam proporcionar momentos felizes, não só risadas.

Não entendeu como as duas coisas se relacionam? Isso só mostra como a nossa arte faz o que está visível se tornar oculto e vice versa!

Pessoas que têm muitas dúvidas, sem raízes no que é real para se manter são inseguras e precisam se auto afirmar intimidando e amedrontando outras pessoas. Esses irão, no máximo se tornar grandes guerreiros que conseguem quebrar o que tocam, que conseguiram o que querem pela força e pelo medo.

Enquanto não se entender que tudo que se aprende dentro do Dojo é e deve ser usado na vida, não vai entender as afirmações acima.

Enquanto não se entender o porquê que: se deve manter seu local de estudo e trabalho limpos e organizados; se deve respeitar alguém mais antigo na arte ou mais velho na vida; respeitar e seguir quem está em posição hierarquia maior no tatame ou fora dele; ser educado e aprender ouvir quem já passou pelo mesmo que você está passando; trabalhar em pró do coletivo e além disso, entender que deve confiar em quem você escolheu para te guiar, então não será nada além de alguém que só sabe destruir, intimidar e amedrontar.

Seguir as normas, ser educado e ético em tudo na vida, estar aberto aos ensinamentos, ser persistente e não ser teimoso, continuar procurando alternativas para alcançar os objetivos e frequentar insistentemente as aulas vão lhe dar as ferramentas necessárias para tirar toda e qualquer dúvida. Então assim irá se tornar um humano de verdade,
um ninja da Bujinkan, herdeiros de Togakure.

Kleber T Teixeira
Deshi de Shihan Fernando Cardoso